SHAPE

Qual é a sua pisada?

Cada pessoa tem um formato de pé e, portanto, um jeito de pisar. Descubra qual é o seu!

por Redação SHAPE, em 28/02/2012

Por Fernanda Correia

Comprar um tênis para correr não é tarefa fácil: nas prateleiras, há muitos modelos, cores e marcas para todos os gostos e bolsos. Mas antes de optar pelo mais bonito, é preciso saber se ele é adequado para você. “Ao observar uma pessoa em pé, descalça, é possível identificar se o pé é normal, cavo varo (com a curvatura acentuada) ou plano valgo (conhecido como pé chato). Quando ela corre, temos a condição de perceber se a pisada é neutra, supinada ou pronada”, explica o médico do Hospital das Clínicas, Rafael Trevisan Ortiz, de São Paulo. Ou seja: essas características, que interferem na nossa maneira de andar, também influenciam na hora de correr.

Segundo o médico e coordenador da equipe de ortopedia do Hospital Nossa Senhora das Graças, Renato Cesar Sahagoff Raad, de Curitiba, o uso de um tênis inadequado resulta em graves consequências à saúde: “Há o risco de você ter dores nas pernas, nos tornozelos e nos joelhos, com irradiação para a região lombar, limitando a realização de qualquer atividade”. Andreia Nogueira Miana, fisioterapeuta e mestre em Biomecânica, explica que se você tiver pisada supinada e usar um tênis para pronada, por exemplo, o calçado fará com que o seu pé supine ainda mais.

Longe das lesões
Mas o uso de um calçado impróprio, muitas vezes, pode acabar causando lesões articulares e musculares. Segundo o professor Darren Stefanyshyn, da Universidade de Calgary, no Canadá, de 37% a 56% dos corredores lesionam o joelho ou a canela em um ano de atividade e apresentam problemas nas articulações dois anos após o início do treinamento — em muitos casos, motivado pela escolha do calçado errado.

O problema é que nem sempre usar o tênis adequado é capaz de arrumar a pisada. “Algumas pessoas até conseguem, mas muitas não atingem essa correção”, diz a fisioterapeuta Andreia Nogueira Miana. Isso acontece porque existem ângulos diferentes de pronação ou supinação, que variam de pessoa para pessoa. Para uma avaliação precisa, o melhor é fazer um teste em laboratório, que analisa o movimento do retropé (parte detrás do pé) por baropodometria. “Marcadores são presos nos calcanhares e nos pés e, a partir do ângulo observado durante a corrida, é identificada com precisão o tipo da pisada”, explica. A análise feita por esse método consegue reconhecer até se os dois pés apresentam o mesmo tipo de pisada. “É comum, por exemplo, uma pessoa ter pronação no pé esquerdo e pisada neutra no direito. Nesse caso, não adianta comprar um tênis para a pronada. Quando isso acontece, indicamos o uso de palmilhas”, completa a fisioterapeuta.

Tênis tem prazo de validade
Não adianta escolher o tênis adequado se você não respeitar a vida útil do calçado. Muita gente esquece, mas ele tem prazo de validade — dura, em média, de 500 a 700 km. Não dá para estipular com precisão a durabilidade do tênis, tudo depende da frequência e maneira de uso. “Uma atleta que corre 10 km por dia, por exemplo, deve trocar o tênis a cada 70 dias. Após esse período, o sistema de amortecimento pode ficar comprometido”, diz o médico Renato Raad. O ideal é ter pelo menos dois pares e fazer um rodízio. Dê um intervalo de 24 horas para que as deformações que acontecem na sola desapareçam e ela volte à forma normal.

Conheça sua pisada
Existem três tipos de pisada: a neutra, a pronada e a supinada. O melhor modo de descobrir o seu tipo é com uma avaliação profissional, no entanto, dá para ter uma noção em casa. Observe a sola do seu tênis ou calçado e compare com as ilustrações ao lado para identificar a sua pisada.

{gallery}
Qual é a sua pisada? Ilustração Leonardo Bussadori

Qual é a sua pisada? Ilustração Leonardo Bussadori

Qual é a sua pisada? Ilustração Leonardo Bussadori

{/gallery}

Receba o conteúdo da SHAPE em seu e-mail e fique por dentro de todas as novidades!

Enviar